Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.
17-09-2019

Na base da evidência conhecida, pessoas entendidas e informadas concluíram que o 11/Set foi um trabalho interno

O 11/Setembro dezoito anos depois

PAUL CRAIG ROBERTS

Gostaria de perguntar aos leitores se encontraram nos media impressos, televisivos ou na National Public Radio alguma notícia da investigação altamente profissional realizada durante quatro anos acerca do desaparecimento do Edifício 7 do World Trade Center. A equipe internacional de engenheiros civis concluiu que a história oficial da destruição do edifício 7 é inteiramente falsa. Informei das suas descobertas aqui: www.paulcraigroberts.org/...

Suspeito que o relatório pericial já esteja no Buraco da Memória. A revista Popular Mechanics, a Wikipedia e a CNN não podem etiquetar uma equipe eminente como "teóricos da conspiração". Portanto os presstitutos e variados artistas do encobrimento do ataque de falsa bandeira do 11/Set aos Estados Unidos simplesmente actuarão como se nenhum relatório existisse. A vasta maioria dos povos no mundo nunca ouvirá nada acerca do relatório. Duvido que os perpetradores reais do 11/Set cheguem a contratar a sua própria equipe para "refutar" o relatório, pois isso traria o relatório para os noticiários, o último lugar em que os autores querem que esteja.

O relatório da Comissão do 11/Set não era de uma investigação e ignorou todas as evidências forenses. A simulação do colapso do Edifício 7 feita pelo NIST foi amanhada para obter o resultado desejado. As únicas investigações reais foram feitas por cientistas, engenheiros e arquitectos privados. Eles descobriram evidência clara da utilização do [explosivo] nano-thermite na destruição das torres gémeas. Mais de 100 membros de unidades de intervenção inicial (First Responders) testemunharam terem sentido um grande número de explosões dentro das torres, incluindo uma explosão maciça no subsolo antes do momento em que foi dito que os aviões atingiram a torre. Numerosos militares e pilotos civis disseram que as manobras de voo envolvidas nos ataques ao WTC e ao Pentágono estão para além das suas qualificações e ainda mais certamente para além das qualificações dos alegados sequestradores. Destroços dos aviões estão surpreendentemente ausentes dos sítios do impacto. E assim por diante e assim por diante. Que o Edifício 7 foi uma demolição controlada já não é mais discutível.

Na base da evidência conhecida, pessoas entendidas e informadas concluíram que o 11/Set foi um trabalho interno (inside job) organizado pelo vice-presidente Dick Cheney, sua cavalariça de neoconservadores e Israel para o objectivo de reconstruir o Médio Oriente no interesse de Israel e, neste processo, enriquecer o complexo militar/de segurança dos EUA.

A maior parte das pessoas está inconsciente do papel do director do FBI, Robert Mueller, em proteger da evidência a narrativa oficial do 11/Set. Paul Sperry informa no New York Post as muitas acções tomadas por Mueller como director do FBI para ocultar os factos ao Congresso e ao público. nypost.com/...

Patrick Pasin, um autor francês, fornece uma evidência adicional do mau uso do seu posto por parte de Mueller para proteger uma mentira oficial. Uma tradução em língua inglesa do livro de Pasin, The FBI Accomplice of 9/11 , foi publicada pela Talma Studios, em Dublim, Irlanda. www.bookdepository.com/...   [*]

O livro de Pasin consiste em organizar a evidência conhecida, a qual tem sido suprimida a fim de perpetrar uma falsa narrativa do 11/Set, num relato irrefutável de como um ataque de falsa bandeira foi protegido da revelação. Ele pormenoriza o plano "através do qual o FBI tentou provar a narrativa conspiratória do governo – a qualquer custo. É de recordar que Mueller é um dos que no Estado Profundo provocou o presidente Trump. Negócios sujos é o negócio de Mueller.

Pasin colecciona as provas e as teias numa narrativa irrefutável. Está tudo ali. A utilização de informação privilegiada (insider trading) antes dos sequestros dos aviões, a impossibilidade de chamadas telefónicas a partir de aviões em 2001; as cartas com antraz enviadas aos senadores Tom Daschle e Patrick Leahy que abriram o caminho para o Patriot Act; o esforço para culpar cientistas militares americanos pelas cartas quando se revelou que o antraz só existia num laboratório militar estado-unidense; a total implausibilidade de encontrar um passaporte não danificado no entulho das torres gémeas onde os fogos eram alegadamente tão quentes que fundiam o aço.

É extraordinário que alguém pudesse ter acreditado numa só palavra disto. Tente imaginar um calor tão intenso que funde o aço mas não é suficiente para queimar um passaporte!

O livro de Pasin é de leitura fácil. Ele simplesmente expõe, revelando falsificação após falsificação, mentira após mentira. A narrativa obviamente falsa é transmitida ao mundo e os peritos que a revelam como falsa são chamados "teóricos da conspiração" por pessoas demasiado estúpidas e desinformadas para assimilar seus livros.

Esta é a América do século XXI e, aparentemente, o resto da população do mundo não é mais brilhante.

Dentro de três dias será o 18º aniversário do 11/Set. O que aprendemos nestes 18 anos? Aprendemos que milhares de peritos com provas concretas não podem prevalecer sobre uma transparente mentira oficial.


[1] Edição em francês: Le FBI, complice du 11 septembre, Talma Studios, 2019, 280 p.

Ver também:

9/11 : Les enregistrements sismiques dévoilent des signatures explosives pour WTC1, WTC2, et WTC7
(11/Set: Os registos sísmicos revelam assinaturas explosivas para os edifícios 1, 2 e 7 do World Trade Center)


O original encontra-se em www.paulcraigroberts.org/2019/09/09/9-11-after-18-years/






Este artigo encontra-se em http://resistir.info/


.