14:19 Mércores, 30 de Novembro de 2022
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

31-01-2022

A Rússia e o Ocidente: Perfurando o nevoeiro da histeria

O erro fatal cometido por Bruxelas em 2014 foi forçar Kiev a fazer uma escolha impossível entre a Europa e a Rússia

Valorar (4)

PEPE ESCOBAR



Um espectro assombra o Ocidente colectivo: a zumbificação total, cortesia de uma constante operação psicológica que carimba a inevitabilidade da "agressão russa".

Vamos perfurar o nevoeiro da histeria perguntando ao ministro da Defesa ucraniano, Reznikov, o que está a acontecer:
"Posso absolutamente dizer que, até à data, as forças armadas russas não criaram um grupo de ataque que pudesse efectuar uma invasão vigorosa da Ucrânia".

Bem, Reznikov não está obviamente consciente de que a Casa Branca, com acesso a inteligência possivelmente privilegiada, está convencida de que a Rússia irá invadir "a qualquer minuto a partir de agora".

O Pentágono redobra a sua posição: "É muito claro que os russos não têm neste momento qualquer intenção de desescalarem". Assim, a necessidade, expressa pelo porta-voz John Kirby, de preparar uma força multinacional de resposta da NATO de 40.000 soldados: "Se for activada... para derrotar a agressão, se necessário".

Portanto, "a agressão" é um dado adquirido. A Casa Branca está a "refinar" planos militares – 18 na última contagem – para todas as formas de "agressão". Quanto a responder – por escrito – às propostas russas sobre garantias de segurança, bem, isso é demasiado complexo.

Não há "data exacta" para o seu envio a Moscovo. E os proverbiais "responsáveis" imploraram aos seus homólogos russos que não a tornassem pública. Afinal de contas, uma carta não é sexy. No entanto, a "agressão" vende-se. Especialmente quando pode acontecer "a qualquer minuto a partir de agora".

Os "analistas" hacks gritam que Putin "está quase certo" de efectuar um "ataque limitado" nos "próximos dez dias", completo com um ataque a Kiev: isso configura o cenário de uma "guerra quase inevitável".

Vladimir Dzhabarov, Primeiro Vice-Presidente da Comissão dos Assuntos Internacionais do Conselho da Rússia, prefere aproximar-se da realidade: os EUA preparam uma provocação para empurrar Kiev para "acções imprudentes" contra a Rússia no Donbass. Isso liga-se aos soldados de infantaria da República Popular de Lugansk, relatando que "grupos subversivos preparados por instrutores britânicos" chegaram à área de Lisichansk.

Luminárias como Ursula von der Leyen da Comissão Europeia, Jens Stoltenberg da NATO e "líderes" do Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Polónia anunciaram, após uma video-chamada, que "um pacote de sanções sem precedentes" está quase pronto se a Rússia "invadir".

Fizeram-no como "unidade internacional face à crescente hostilidade da Rússia". Tradução: o NATOstão implora à Rússia que, por favor, invada tão logo quanto possível.

Da UE 27, 21 são membros da NATO. Os EUA dominam o lote inteiro. Assim, quando a UE anuncia que "qualquer nova agressão militar contra a Ucrânia teria consequências muito graves para a Rússia", são os EUA a dizer à NATO para dizer à UE "o que dizemos, andem". E sob esta estratégia de ambiente de tensão, "o que dizemos" significa aplicar a divisão e o governo imperial em bruto, para manter a Europa totalmente subjugada.

Os erros fatais do Ocidente

Nunca se deve esquecer que a Maidan 2014 foi uma operação supervisionada por Obama/Biden. No entanto, ainda há muitos negócios inacabados – quando se trata de atolar a Rússia. Assim, o visceralmente russofóbico Partido de Guerra em Washington DC tem agora de parar de ordenar à NATO para incitar Kiev a iniciar uma guerra quente – e assim encurralar a Rússia. Zelensky, o Comediante, chegou mesmo a registar o desejo de "ir para a ofensiva".

Portanto, está na hora de divulgar as falsas bandeiras .

O indispensável Alastair Crooke delineou como "'cerco' e 'contenção' se tornaram efectivamente a política externa padrão de Biden". Não "Biden", na verdade – mas a combinação amorfa por detrás do auricular/telecomandado fantoche que há mais de um ano designo como o Crash Test Dummy.

Crooke acrescenta, "a tentativa de consolidar esta meta-doutrina está actualmente a ser aplicada via Rússia (como o passo inicial). A adesão essencial pela Europa é a "peça fundamental" para a contenção física e o cerco da Rússia".

"Cerco" e "contenção" têm sido, sob vários disfarces, instrumentos excepcionais durante décadas. A noção mantida pelo Partido de Guerra de que é possível executar ambas de uma frente tripla – contra a Rússia, a China e o Irão – é tão infantil que torna ociosa qualquer análise. Ela pede só uma bebida e uma boa gargalhada.

Quanto a sanções adicionais para a imaginária "agressão russa", algumas almas benevolentes tiveram de recordar ao Pequeno Tony Blinken e a outros participantes do círculo de "Biden" que os europeus seriam muito mais afectados letalmente do que os russos; sem mencionar que tais sanções iriam agravar a crise económica colectiva do Ocidente.

Uma breve recapitulação é essencial para enquadrar como acabámos por ficar atolados no actual pântano de histeria.

O Ocidente colectivo desperdiçou a oportunidade que teve de construir uma parceria construtiva com a Rússia semelhante ao que fez com a Alemanha depois de 1945.

O Ocidente colectivo também a desperdiçou ao reduzir a Rússia ao papel de uma entidade menor e dócil, impondo que existe apenas uma esfera de influência no planeta: o NATOstão, é claro.

E o império estragou tudo quando visou a Rússia, mesmo depois de ter alegadamente "vencido" contra a URSS.

Durante os anos 90 e 2000, ao invés de ser convidada a participar na construção da "casa comum europeia" – com todas as suas falhas gritantes – a Rússia pós-soviética foi forçada a ficar de fora a olhar como esta "casa" foi melhorada e decorada.

Ao contrário de todas as promessas feitas a Gorbachev por vários líderes ocidentais, a esfera de influência tradicional russa – e mesmo o território da ex-URSS – tornou-se objecto de disputa no saqueio da "herança soviética": apenas um espaço a ser colonizado pelas estruturas militares da NATO.

Ao contrário da esperança de Gorbachev – que estava ingenuamente convencido de que o Ocidente partilharia com ele os benefícios dos "dividendos da paz" – foi imposto à economia russa um modelo neoliberal anglo-americano extremo. A juntar às consequências desastrosas desta transição estava o sentimento de frustração nacional de uma sociedade que foi humilhada e tratada como uma nação derrotada na Guerra Fria, ou na III Guerra Mundial.

Esse foi o erro fatal do Exceptionalistão:  acreditar que com o desaparecimento da URSS, a Rússia como uma realidade histórica, económica e estratégica desapareceria também das relações internacionais.

O novo pacto de aço

E é por isso que a War Inc., o Partido da Guerra, o Estado Profundo, como se quiser chamar, está agora a ficar fora de si – em grande estilo.
Eles descartaram Putin quando ele formulou um novo paradigma em Munique em 2007 – ou quando ele regressou ao Kremlin em 2012.

Putin deixou muito claro que os legítimos interesses estratégicos da Rússia teriam de ser novamente respeitados. E que a Rússia estava prestes a recuperar os seus "direitos de veto" de facto na gestão dos assuntos mundiais. Bem, a doutrina de Putin já estava a ser implementada desde o caso georgiano em 2008.

A Ucrânia é uma manta de retalhos que até há pouco tempo pertencia a diferentes impérios – austro-húngaro e russo – bem como a várias nações, tais como a Rússia, a Polónia e a Roménia. Reagrupa o catolicismo e a ortodoxia e tem milhões de russos étnicos e falantes de russo com profundos laços históricos, culturais e económicos com a Rússia.

Assim, a Ucrânia era de facto uma nova Jugoslávia.

O erro fatal cometido por Bruxelas em 2014 foi forçar Kiev, bem como a população ucraniana no seu conjunto, a fazer uma escolha impossível entre a Europa e a Rússia.

O resultado inevitável teria de ser o Maidan, completamente manipulado pela inteligência americana, mesmo quando os russos viram claramente como a UE passou da posição de intermediário honesto para o papel humilde de caniches americanos.

Os falcões russófobos norte-americanos nunca renunciarão ao espectáculo do seu adversário histórico atolado numa guerra fratricida lenta no espaço pós-soviético. Assim como nunca renunciarão ao Divide e Impera imposto sobre uma Europa desordenada. E assim como nunca concederão "esferas de influência" a qualquer actor geopolítico.

Sem a sua marca tóxica, 2014 poderia ter-se desenvolvido de uma maneira bastante diferente.

Para dissuadir Putin de restaurar a Crimeia no seu devido lugar – a Rússia – teria sido preciso duas coisas: que a Ucrânia fosse gerida decentemente depois de 1992 e não ser forçada a escolher o campo ocidental, mas torná-la uma ponte, ao estilo da Finlândia ou da Áustria.

Depois do Maidan, os acordos de Minsk foram o mais próximo possível de uma solução viável: vamos acabar com o conflito no Donbass; desarmar os protagonistas; e restabelecer o controlo das fronteiras da Ucrânia, proporcionando ao mesmo tempo uma autonomia real à Ucrânia Oriental.

Para que tudo isso acontecesse, a Ucrânia teria precisado de um estatuto neutro e de uma dupla garantia de segurança, por parte da Rússia e da NATO. E tornar o acordo de associação entre a Ucrânia e a UE compatível com os laços estreitos entre a Ucrânia Oriental e a economia russa.
Tudo isso teria talvez configurado uma visão europeia de relações futuras decentes com a Rússia.

No entanto, o Estado Profundo Russofóbico nunca o permitiria. E o mesmo se aplicava à Casa Branca. Barack Obama, aquele cínico oportunista, estava demasiado envolvido pelo duvidoso contexto polaco de Chicago e não estava livre da obsessão excepcionalista com antagonismo profundo para poder construir um relacionamento construtivo com a Rússia.

Depois há o argumento conclusivo (clincher), revelado por uma fonte de inteligência de alto nível dos EUA.

Em 2013, o falecido Zbigniew "Grand Chessboard" Brzezinski recebeu um relatório classificado sobre mísseis avançados russos. Ele ficou fora de si.

E respondeu conceptualizando o Maidan 2014 – para atrair a Rússia a uma guerra de guerrilha na altura, tal como havia feito com o Afeganistão na década de 1980.

E aqui estamos nós agora: é tudo uma questão de negócios inacabados.

Uma palavra final sobre as fundas e flechas de uma fortuna ultrajante. No século XIII, o Império Mongol estabeleceu a sua suserania sobre o Kievan Rus – ou seja, sobre os principados ortodoxos cristãos que correspondem hoje ao norte da Ucrânia, Bielorrússia e parte da Rússia contemporânea.

O jugo tártaro sobre a Rússia – de 1240 a 1552, quando Ivan O Terrível conquistou o Kazan – está profundamente marcado na consciência histórica russa e no debate sobre a identidade nacional.

Os Mongóis conquistaram separadamente vastas extensões da China, Rússia e Irão. Séculos após a Pax Mongólica, que ironia que o novo pacto de aço entre estes três principais actores eurasianos seja agora um obstáculo geopolítico intransponível, esmagando todos os planos elaborados por um bando de arrivistas históricos transatlânticos.


[*] Analista geopolítico, escritor e jornalista.

O original encontra-se em www.strategic-culture.org/news/2022/01/26/russia-and-west-piercing-fog-of-hysteria/

Este artigo encontra-se em resistir.info




Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.







© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña