01:50 Xoves, 03 de Decembro de 2020
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

20-11-2020

Há poucos dias, em 6 de Novembro, a Lockheed Martin (a mesma empresa que produz os F-35) assinou o primeiro contrato de 340 milhões de dólares com o Exército dos EUA para a produção de mísseis de méd

Os euromísseis nucleares estao de regresso

Valorar (3)

MANLIO DINUCCI


Quando há mais de cinco anos, no il manifesto (9/Junho/2015), titulámos "Será que os mísseis regressam a Comiso ?", essa hipótese foi ignorada por todo o arco político e descartada como 'alarmista' por alguém que se designa arbitrariamente como sendo um especialista. Infelizmente, o alarme era fundamentado.

Há poucos dias, em 6 de Novembro, a Lockheed Martin (a mesma empresa que produz os F-35) assinou o primeiro contrato de 340 milhões de dólares com o Exército dos EUA para a produção de mísseis de médio alcance, também com ogivas nucleares, projectados para serem instalados na Europa. Os mísseis dessa categoria (com base no solo e alcance entre 500 e 5500 km) foram proibidos pelo Tratado INF, assinado em 1987 pelos Presidentes Gorbachev e Reagan e eliminou os mísseis balísticos nucleares Pershing II, instalados pelos Estados Unidos na Alemanha Ocidental e os mísseis nucleares de cruzeiro Tomahawk, estabelecidos pelos Estados Unidos em Itália (em Comiso), na Grã-Bretanha, na Alemanha Ocidental, na Bélgica e na Holanda e, ao mesmo tempo, os mísseis balísticos SS-20 colocados pela União Soviética no seu território.

Em 2014, a Administração Obama, sem qualquer prova, acusava a Rússia de ter ensaiado um míssil de cruzeiro (sigla 9M729) da categoria proibida pelo Tratado e, em 2015, anunciou que “perante a violação do Tratado INF pela Rússia, os Estados Unidos estão a considerar a inserção na Europa, de mísseis com base em terra”.

O testemunho passou, então, para a Administração Trump, que em 2019 decidiu a retirada dos Estados Unidos do Tratado INF acusando a Rússia de tê-lo "violado deliberadamente".

Após alguns testes de mísseis, a Lockheed Martin foi contratada para construir um míssil de cruzeiro derivado do Tomahawk e um míssil balístico derivado do SM-6 da Raytheon. Segundo o contrato, os dois mísseis estarão operacionais em 2023: portanto, prontos para serem instalados na Europa dentro de dois anos. O factor geográfico deve ser tido em consideração: enquanto um míssil balístico nuclear americano de médio alcance lançado da Europa pode atingir Moscovo após alguns minutos, um míssil semelhante lançado pela Rússia pode atingir as capitais europeias, mas não Washington. Invertendo o cenário, é como se a Rússia estivesse a instalar mísseis nucleares de médio alcance no México. Deve notar-se também que o SM-6, especifica a Raytheon, desempenha a função de "três mísseis num só", a saber: função antiaérea, antimíssil e de ataque. Portanto, o míssil nuclear derivado do SM-6 poderá ser usado pelos navios "blindados" e pelas instalações terrestres dos Estados Unidos na Europa cujos tubos de lançamento, especifica a Lockheed Martin, podem lançar "mísseis para todas as missões".

Numa declaração datada de 26 de Outubro de 2020, o Presidente Putin reafirma a validade do Tratado INF, definindo a retirada dos EUA como sendo um “grave erro” e o compromisso da Rússia de não instalar mísseis semelhantes até ao momento em que os EUA posicionem as suas forças perto do seu território. Por conseguinte, propõe aos países da NATO uma "moratória recíproca" e "medidas de verificação mútua", ou seja, inspecções nas instalações recíprocas de mísseis. A proposta russa foi ignorada pela NATO. O secretário-geral, Jens Stoltenberg, em 10 de Novembro, reiterou que "num mundo tão incerto, as armas nucleares continuam a desempenhar um papel vital na preservação da paz".

Não se ergueu nenhuma voz dos governos e dos parlamentos europeus, embora a Europa corra o risco de estar na vanguarda de um confronto nuclear semelhante ou mais perigoso do que o da Guerra Fria. Mas esta ameaça não está relacionada com o Covid, portanto, não é comentada.

A União Europeia, da qual 21 dos 27 membros fazem parte da NATO, já se fez ouvir quando, em 2018, rejeitou nas Nações Unidas a resolução apresentada pela Rússia sobre a "Preservação e observância do Tratado INF", dando luz verde à instalação de novos mísseis nucleares dos EUA na Europa.

Haverá alguma mudança quando Joe Biden for investido para a Casa Branca? Ou, depois de o democrata Obama ter aberto o novo confronto nuclear com a Rússia e de o republicano Trump o ter agravado, ao destruir o Tratado INF, o democrata Biden (antigo vice-presidente de Obama) irá assinar a instalação dos novos mísseis nucleares americanos na Europa?

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.







© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña