11:10 Domingo, 25 de Outubro de 2020
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

15-10-2020

Na guerra do Carabaque, o direito actual contradiz-se segundo aquilo que se interpreta em função da propriedade do território ou da auto-determinação do povo

Carabaque : a OTAN apoia a Turquia enquanto procura eliminar o Presidente Erdogan

Valorar (3)

THIERRY MEYSSAN


A catedral de Artaskh (ou Artsaque) foi o alvo de dois mísseis. A destruição dos lugares de culto constitui um crime de guerra, segundo o Direito Internacional Humanitário. O genocídio arménio (1894-95 e 1915-23) pelos Otomanos e pelos Turcos visava acabar com a população não-muçulmana. O Azerbaijão assegura não estar implicado no ataque a esta igreja.

A guerra continua no Alto-Carabaque (ou Nagorno-Karabakh, ndT) desde 27 de Setembro de 2020. A superioridade das forças azeris é evidente, tanto em número como pela qualidade do seu armamento. A primeira linha de defesa das forças artsaquesas foi pulverizada, mas as outras duas continuam a aguentar-se. Os estragos são muito importantes, inclusive do lado azeri. É difícil estabelecer um balanço de perdas humanas, mas as mortes já são muito numerosas.

O Presidente Ilham Aliyev (Azerbaijão- ndT) anuncia a sua intenção de prosseguir a ofensiva até à vitória, ou seja, a «recuperação» do seu território. Ele é apoiado pelo seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdoğan. O Paquistão também se juntou ao seu campo, mesmo que negando por completo ter para lá enviado soldados. Todos os países turcófonos do Conselho turco deram o seu apoio, sem falhas, ao «Povo dos Dois Estados» (Azerbaijão e Turquia).

Do lado arménio, o apoio igualmente inabalável da diáspora espalhada pelo Ocidente criou um consenso condenando o ataque azeri (mesmo que Baku pretenda não ter atacado o Carabaque). Ao problema do Artsaque (ou Artsakh-ndT), soma-se o da Arménia. Está claro, e é reivindicado, que os soldados deste país se batem no Artsaque, mas não parece que os combates se tenham estendido ao seu território.

De um ponto de vista diplomático, o Grupo de Minsk da OSCE, presidido pelos Estados Unidos, pela França e pela Rússia, multiplica os apelos de cessar-fogo, sem qualquer efeito. Desde a sua criação, ele nada tinha feito e continua abertamente a tapar os olhos. Na verdade, ele activa-se na sombra e acaba de organizar uma mediação em Genebra, sem a Arménia.

Uma palavra sobre a posição francesa: embora co-presidindo o Grupo de Minsk, Paris não cessa de se confrontar com Ancara em todo o tipo de assuntos: desde a delimitação de zonas exclusivas no Mediterrâneo, à situação na Líbia, passando pelo laicismo. No entanto, o Presidente Emmanuel Macron evita, tanto quanto possível, abordar a ocupação turca em Chipre, no Iraque e na Síria, portanto problemas muito mais importantes. A França exigiu explicações à Turquia sobre a transferência de jiadistas do Exército Sírio Livre (para o Azerbaijão- ndT), que ela anteriormente ajudou a criar, apoiou e enquadrou contra a Síria.

As médias potências evitam tomar posição, na medida em que quase todas hesitam em chocar-se com um poderoso Estado petrolífero só pelos belos olhos dos arménios. Contudo, dado o passado genocida do povo turco, que ele persiste em negar, será moralmente impossível não se pronunciar por muito mais tempo. Antes de o Catar (que abriga uma base militar turca) se ter pronunciado, o Secretário-Geral da Liga Árabe condenou a Turquia. Ele foi imediatamente seguido pela Síria. O Presidente Bashar al-Assad aproveitou a oportunidade para recapitular os crimes de Ancara face ao seu povo.

Em conclusão, à medida que a provável derrota do Artsaque e o provável massacre dos seus habitantes se aproxima, os Estados Unidos e a Rússia pretendem continuar a mostrar-se neutrais, os Ocidentais e os Árabes apoiam a Arménia, enquanto apenas os Estados turcófonos apoiam abertamente o Azerbaijão e a Turquia.

A hipótese da armadilha

A hipótese de um engodo suscitado por Washington a fim de pressionar o Presidente Recep Tayyip Erdoğan ao erro e o derrubar, como fez ao seu homólogo iraquiano Saddam Hussein, continua de pé. Em 1990-91, a invasão do Kuwait, encorajada pela Embaixatriz dos EUA, April Gaspie, foi seguida, cinco meses mais tarde, por uma condenação unânime do Conselho de Segurança e pela Operação «Tempestade do Deserto». Estamos
apenas a duas semanas do início das operações em Arstaque.

Foi difícil transformar a imagem do Presidente Saddam Hussein em apenas alguns meses. Este era um agente da CIA, recrutado durante a sua juventude, aquando dos seus estudos. A pedido dos Ocidentais, ele havia ajudado numa tentativa de Golpe de Estado dos Irmãos Muçulmanos na Síria. Ele tinha travado uma longa guerra contra o Irão, sempre a mando dos Ocidentais. Imaginava-se portanto indispensável aos seus patrocinadores. Washington publicou, pois, documentos atestando que ele havia assassinado ou mandado assassinar várias pessoas do seu círculo, mas era preciso ainda transformar este déspota oriental num novo criminoso em série. Neste processo, o falso testemunho de uma falsa enfermeira kuwaitiana perante o Congresso dos Estados Unidos foi crucial: por ordem do tirano, o exército iraquiano roubara incubadoras, provocando a morte de bebés (bebês-br) prematuros.

No caso do Azerbaijão, as coisas serão mais fáceis. Bastará exumar as provas do genocídio arménio, que os Turcos persistem em negar, para justificar o risco sério de um novo massacre. Tanto mais quando a Catedral de Artsaque acaba de ser alvejada por dois mísseis de precisão. Desde já, o Azerbaijão desmente ter disparado estes mísseis, o que é possível, mas faz então supor que uma potência terceira possa estar manipulando o conflito. Se a implicação de Baku for comprovada nesta violação do Direito Internacional Humanitário, a intenção genocida seria impossível de ignorar, sabendo-se que o genocídio arménio (1894-95 e 1915-20) teve como alvo esta população devido à sua religião.

A armadilha fecha-se

Preocupado em evitar que as coisas degenerem, o Presidente russo, Vladimir Putin, organizou em Moscovo, em 9 de Outubro, negociações entre os Ministros dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br) azeri e arménio, ao mesmo tempo que enviava o seu Primeiro-Ministro a Erevan. Após seis horas de consultas, estas levaram à assinatura de um cessar-fogo para o dia 10, ao meio-dia. O Acordo previu, para além do entrega dos prisioneiros e dos corpos das vítimas, a retoma das negociações de paz sob a égide do Grupo de Misnk da OSCE.

A paragem dos combates foi precedida por um intenso bombardeio da pequena cidade de Hadrut, da qual Baku havia um pouco apressadamente proclamado a « recaptura », e de um amplo ataque com drones visando agravar in extremis a relação de forças.

A trégua não durou mais que 5 minutos : às 12h05, o Azerbaijão retomava os combates em Hadrut.

Segundo a parte arménia, o Azerbaijão teria então bombardeado a República da Arménia na cidade fronteiriça de Kaplan. Se esta informação for verdadeira, a Organização do Tratado de Segurança Colectiva (OTSC) deverá fornecer assistência militar à Arménia. Será preciso que a Rússia demonstre o envolvimento turco ---do qual ninguém duvida--- para colocar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) perante um dilema: ou apoiar a Turquia e declarar a III Guerra Mundial, ou dar-lhe ordem para deixar a Aliança.

Como quase nenhum membro da Aliança poderá continuar a apoiar o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, ele tornar-se-ia então o inimigo mundial n°1.

No entanto, as coisas são talvez mais complicadas ainda : a comunicação internacional do lado azeri é garantida por um lóbi, o Nizami Ganjavi International Centre, claramente controlado pela OTAN. Por outro lado, Washington fez já várias tentativas para derrubar, e até assassinar, o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, ao mesmo tempo que vai repetindo que o Exército turco é um precioso componente da Aliança.

O original encontrase em https://www.voltairenet.org/article211172.html

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña