02:07 Martes, 04 de Agosto de 2020
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

28-12-2019

A extrema-direita é um instrumento do grande capital que incha e desincha consoante as necessidades

Eleições no Reino Unido – quatro ensinamentos

Valorar (1)

ÂNGELO ALVES


1 - Quem ganha as eleições foi quem protagonizou, mesmo que falsamente e de forma reaccionária, o desejo de saída da União Europeia. A estratégia da UE de transformar uma decisão soberana num prolongado calvário de pressão e ingerência teve como único resultado alimentar o populismo de Boris e a sua abordagem reaccionária. Não venham agora chorar “mais um Trump” na Europa.

2 - Fica mais uma vez provado que a extrema-direita é um instrumento do grande capital que incha e desincha consoante as necessidades. O UKIP, de que tanto se falou, e que tanto foi utilizado para tentar colar a opção da saída à extrema direita desapareceu, assim como o Brexit, que tinha ganho as eleições para o Parlamento Europeu.

3 - A derrota do Labour deve-se essencialmente a dois factores: Aos violentos ataques, externos e internos, à Direcção de Jeremy Corbyn. E, simultaneamente à incapacidade de resistência a esses ataques, nomeadamente pela ausência de uma posição clara de defesa de uma saída da União Europeia, se não progressista, pelo menos democrática e não anti-social. Se é verdade que no seu programa eleitoral constavam medidas de carácter democrático e até progressista em alguns aspectos, também é igualmente verdade que as divisões no Labour desenharam quadratura do círculo com uma postura de equidistância relativamente ao tema central das eleições e uma colagem à estratégia de um novo referendo. O resultado será, como era de esperar, a “crucificação” de Corbyn e uma nova viragem à direita do Labour.

4 - Foi o sistema eleitoral que ofereceu aos conservadores a maioria absoluta. Em 47,5 milhões de votantes a diferença entre os conservadores e os trabalhistas é de 3,6 milhões de votos, e os conservadores apenas alcançam 43% dos votos. Se o Método de Hondt fosse aplicado nestes resultados os conservadores não teriam a maioria absoluta e a diferença de deputados para o Labour passara dos actuais 163 para 74Eleições no Reino Unido – quatro ensinamentos 1 - Quem ganha as eleições foi quem protagonizou, mesmo que falsamente e de forma reaccionária, o desejo de saída da União Europeia. A estratégia da UE de transformar uma decisão soberana num prolongado calvário de pressão e ingerência teve como único resultado alimentar o populismo de Boris e a sua abordagem reaccionária. Não venham agora chorar “mais um Trump” na Europa. 2 - Fica mais uma vez provado que a extrema-direita é um instrumento do grande capital que incha e desincha consoante as necessidades. O UKIP, de que tanto se falou, e que tanto foi utilizado para tentar colar a opção da saída à extrema direita desapareceu, assim como o Brexit, que tinha ganho as eleições para o Parlamento Europeu. 3 - A derrota do Labour deve-se essencialmente a dois factores: Aos violentos ataques, externos e internos, à Direcção de Jeremy Corbyn. E, simultaneamente à incapacidade de resistência a esses ataques, nomeadamente pela ausência de uma posição clara de defesa de uma saída da União Europeia, se não progressista, pelo menos democrática e não anti-social. Se é verdade que no seu programa eleitoral constavam medidas de carácter democrático e até progressista em alguns aspectos, também é igualmente verdade que as divisões no Labour desenharam quadratura do círculo com uma postura de equidistância relativamente ao tema central das eleições e uma colagem à estratégia de um novo referendo. O resultado será, como era de esperar, a “crucificação” de Corbyn e uma nova viragem à direita do Labour. 4 - Foi o sistema eleitoral que ofereceu aos conservadores a maioria absoluta. Em 47,5 milhões de votantes a diferença entre os conservadores e os trabalhistas é de 3,6 milhões de votos, e os conservadores apenas alcançam 43% dos votos. Se o Método de Hondt fosse aplicado nestes resultados os conservadores não teriam a maioria absoluta e a diferença de deputados para o Labour passara dos actuais 163 para 74

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.







© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña