12:15 Luns, 22 de Xullo de 2019
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

22-02-2019

A “ajuda humanitária” dos EUA e seus aliados, em regra acompanhada do “direito de ingerência humanitária,” salda-se por centenas de milhares de vítimas, países destruídos, milhões de desalojados.

Noam Chomsky explica o que escondem as “ajudas humanitárias”

Valorar (7)

NOAM CHOMSKY


O conceito de ajuda humanitária corresponde a quase todo o acto agressivo realizado por qualquer potência, que do ponto de vista do agressor é uma ajuda humanitária, mas não o é do ponto de vista das vítimas, explica o filósofo Noam Chomsky. Segundo o também linguista e cientista político, os Estados Unidos reconhecem-no publicamente e é compreensível que assim seja no campo do império tradicional.

Primeiro exemplo de ajuda humanitária: o bombardeamento da Sérvia em 1999


Forças da Albânia cometiam ataques terroristas em território sérvio para provocar uma resposta do respectivo Governo que servisse como justificação para a NATO (aliança militar intergovernamental Organização do Tratado do Atlântico Norte) entrar no país, ou seja para uma intervenção dos Estados Unidos. As perdas estimadas foram altas em ambos os lados: duas mil vítimas. Quando assumiram a invasão o general norte-americano responsável, Wesley Clark, informou Washington de que o resultado do ataque dos EUA intensificaria as atrocidades, porque a Sérvia não era capaz de responder militarmente bombardeando os EUA, a Sérvia respondeu por terra, expulsando os terroristas albaneses do Kosovo, logo após o bombardeamento pelos EUA. Mas a grande cobertura mediática foi para Slobodan Milošević (ex-presidente sérvio) levado ao Tribunal Penal Internacional sob a acusação de crimes em massa, todos eles, com uma única excepção, sucedidos após o bombardeamento dos Estados Unidos contra a sua população. Tudo o que foi narrado anteriormente foi uma “intervenção humanitária”, diz Chomsky.

As intervenções para ajuda humanitária são legais?


A Assembleia Geral das Nações Unidas tem uma resolução sobre a responsabilidade de proteger, que afirma explicitamente que não pode ser realizado um acto não militar a menos que esteja autorizado pelo Conselho de Segurança da ONU. É usado para garantir que os governos não reprimam as suas próprias populações. No entanto, o activista norte-americano Chomsky explica que houve outra comissão, presidida pelo ex-primeiro-ministro australiano Garreth Evans, que debateu sobre a “responsabilidade de proteger”, muito semelhante à versão da ONU, mas com uma diferença “, que caso o Conselho de Segurança não esteja de acordo com autorizar uma intervenção, agrupamentos regionais podem intervir pela força por conta própria. Que “agrupamento regional” é capaz de uma intervenção? Existe apenas um e chama-se NATO “. A “responsabilidade de proteger” é legal porque a Assembleia Geral da ONU a autorizou, mas o que rege actualmente é a versão autorizada de Evans, um bom exemplo de como funciona a propaganda - que pode ser constatada vendo os meios de comunicação - num sistema poderoso, acrescenta Chomsky.

Outro exemplo de “ajuda humanitária”: o bombardeamento da Líbia em 2011


Uma resolução da ONU fez em 2011 um apelo à criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia, exceptuando os voos cujos objetivos sejam “humanitários”. Foram estes os termos diplomáticos para resolver o problema, e que Muhammar Khaddafi aceitou, declarando um cessar-fogo contra forças opostas ao seu governo. Finalmente, Washington optou por apoiar uma resolução muito mais ampla do que a simples zona de exclusão aérea e apostou na ocupação militar do país.
“O Reino Unido, a França e os Estados Unidos converteram-se na força aérea da oposição. Um de seus ataques acabou sepultando Khaddafi e matando 10 mil pessoas, deixando a Líbia no que é hoje, nas mãos de milícias “, lembra Noam Chomsky. A partir desse momento, houve um grande fluxo de jihadistas armados na Ásia Ocidental e na África Ocidental, que se tornaram a principal fonte de terrorismo radical no mundo, “uma consequência da chamada intervenção humanitária na Líbia”.

O poder dos EUA agora, com Donald Trump como presidente


Chomsky explicou também que a sociedade deve repensar o que significa o poder. Os Estados Unidos, na sua opinião, permanecem supremos. O seu poder é danoso, mas do ponto de vista da oligarquia esse poder dá-lhes tudo o que pedem, assevera o filósofo. Só em termos militares esta nação lida com 25 por cento da economia mundial, e também está muito mais avançada em tecnologia do que o resto do mundo. Acrescenta que, embora na economia estejam em declínio, seria um erro pensar que perderam o seu domínio. “As multinacionais norte-americanas são donas de metade do mundo, estão integradas com o Estado, têm todos os sectores: indústria, venda a retalho, comércio, finanças”. Explica que desde a sua eleição como presidente não é apenas Trump que representa o perigo, mas toda a liderança republicana, que nega o fenómeno do aquecimento global, para citar apenas um problema.

“O Partido Republicano é uma das organizações mais perigosas da história da humanidade. Isto pode soar ultrajante, mas pensemos por um momento a esse respeito. Hitler não queria destruir o futuro da existência humana, ninguém tinha essa intenção, lamenta-se, e acrescenta não se trata de pessoas ignorantes ou fundamentalistas religiosos, mas os mais instruídos e apoiados do mundo, aqueles que colocam a sociedade em perigo. Segundo Chomsky, as políticas mais perigosas quase não são discutidas, e são ameaças existenciais que enfrentamos, esta geração tem de decidir se a existência humana vai continuar. Não é uma piada, é o aquecimento global ou uma guerra nuclear e as acções de Trump pioram ambas.

Fonte: vtv.gob.ve/noam-chomsky-cu-humanitarias/
ODiario.info


[25-02-2019 00:00] GUSTAVO HORTA comentou:

AJUDA HUMANITÁRIA É MEUSOVO, É O KRAIO

> https://gustavohorta.wordpress.com/2019/02/23/ajuda-humanitaria-e-meusovo-e-o-kraio/



Os filhos do capeta estadunidenses vêm sabotando a Venezuela e os venezuelanos há quase uma década de olho no petróleo daquele países daquela nação. Filhos do capeta embargam, sabotam e sacaneam o povo venezuelano há muito tempo, tempo demais.



São os mesmos filhos do capeta que vem detonando com nosso país tentam a todo custo agora nos empurrar para um conflito contra nossos irmãos latino-americanos da Venezuela.



São os mesmos filhos do capeta que usam as fronteiras da Colômbia e da Bolívia para cada vez criar mais constrangimentos para o povo venezuelano na tentativa de derrubar um governo democrático e tomar no seu povo suas riquezas.



Diferente daqui do Brasil, onde nós entregamos nossas riquezas graciosamente para os filhos do capeta, o povo venezuelano tem quem os defenda contra ambição desenfreada da canalha estadunidense. Diferente daqui onde os poderes todos se voltam contra o povo.



Lá se foi o pré sal, lá vai o Brasil DESCENDO A LADEIRA! Com nossas forças armadas a empurrar ladeira abaixo e as nossas elites aplaudir esta cretina \'ajuda humanitária\' de merda estadunidense à Venezuela.



Lá os venezuelanos lutam pelo que é seu tentando a todo custo evitar de serem espoliados pelos capetas e filhos do capeta estadunidense. Aqui alguns de nós balançam bandeiras estadunidenses e sionistas e bradam serem patriotas e cidadãos de bem. Cidadão de bem é o KRAIO!! CAMBADA de filhos do CAPETA ou adoradores do Lúcifer estadunidense.



SALVEM A NÓS E À VENEZUELA DAS GARRAS DESTA ÁGUIA NOJENTA DO MAL.



-*-*-*



Los hijos del capeta estadounidenses vienen saboteando a Venezuela ya los venezolanos hace casi una década de ojo en el petróleo de aquellos países de aquella nación. Hijos del capeta embargan, sabotean y sacan al pueblo venezolano desde hace mucho tiempo, demasiado tiempo.



Son los mismos hijos del capeta que viene detonando con nuestro país intentan a toda costa ahora empujarnos hacia un conflicto contra nuestros hermanos latinoamericanos de Venezuela.



Son los mismos hijos del capeta que usan las fronteras de Colombia y Bolivia para cada vez crear más restricciones para el pueblo venezolano en el intento de derribar un gobierno democrático y tomar en su pueblo sus riquezas.



A diferencia de aquí de Brasil, donde entregamos nuestras riquezas graciosamente a los hijos del capeta, el pueblo venezolano tiene quienes los defienden contra ambición desenfrenada de la canalla estadounidense. Diferente de aquí donde los poderes todos se vuelven contra el pueblo.



Y en el caso de que se trate de una persona, Con nuestras fuerzas armadas a empujar ladera abajo y nuestras elites aplaudir esta cretina \'ayuda humanitaria\' de mierda estadounidense a Venezuela.



Allí los venezolanos luchan por lo que es su tentativa a toda costa evitar de ser espoliados por los capetos e hijos del capeta estadounidense. Aquí algunos de nosotros sacuden banderas estadounidenses y sionistas y gritan ser patriotas y ciudadanos de bien. ¡El ciudadano de bien es el KRAIO !! CAMBADA de hijos del CAPETA o adoradores del Lucifer estadounidense.



SALVAMOS A NOSOTROS Y VENEZUELA DE LAS GARRAS DE ESTA AGUA NOJENTA DEL MAL.

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña