12:30 Sabado, 23 de Marzo de 2019
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

13-02-2019

A ofensiva golpista na Venezuela é apenas um dos tabuleiros em que os EUA, os seus aliados e a NATO estão empenhados

Washington, a razão da força

Valorar (2)

MANLIO DINUCCI



Há duas semanas Washington coroou Juan Guaidó presidente da Venezuela, embora este não tenha sequer participado nas eleições presidenciais, e declarou ilegítimo o presidente Maduro, regularmente eleito, pré-anunciando a sua deportação para Guantánamo.

Na semana passada, Washington anunciou a suspensão do Tratado INF, atribuindo a responsabilidade à Rússia, e abriu assim uma fase ainda mais perigosa da corrida aos armamentos nucleares.

Esta semana, Washington dá um novo passo: amanhã, 6 de Fevereiro, a NATO sob comando dos EUA expande-se de novo, com a assinatura do protocolo de adesão da Macedónia do Norte como o 30º membro.

Não sabemos que mais irá Washington fazer na próxima semana, mas sabemos qual a direcção: uma sucessão cada vez mais rápida de actos de força por meio dos quais os Estados Unidos e outras potências ocidentais tentam manter a predominância unipolar num mundo que está em vias de se tornar multipolar.

Essa estratégia - expressão não de força mas de fraqueza, todavia não menos perigosa - atropela as regras mais elementares do direito internacional. O caso emblemático é a adopção de novas sanções contra a Venezuela, com o “congelamento” de activos para 7 milhares de milhões pertencentes à companhia petrolífera estatal, com o objectivo declarado de impedir a Venezuela, o país que possui as maiores reservas de petróleo do mundo, de exportar petróleo.

A Venezuela, além de ser um dos sete países do mundo a ter reservas de coltan, também é rica em ouro, cujas reservas são estimadas em mais de 15 mil toneladas, utilizadas pelo Estado para obter moeda forte e comprar medicamentos, produtos alimentares e outros bens de primeira necessidade. Para isso o Departamento do Tesouro dos EUA, juntamente com os ministros das finanças e governadores dos bancos centrais dos UE e Japão, realizou uma operação secreta de “expropriação internacional” (documentada pelo jornal “Il Sole 24 Ore”). Sequestrou 31 toneladas de lingotes de ouro propriedade do Estado venezuelano: 14 toneladas depositadas junto do Banco de Inglaterra, mais 17 outras transferidas para esse banco pelo Deutsche Bank alemão que as detinha como penhor de uma garantia de empréstimo integralmente reembolsada pela Venezuela em moeda forte. Uma verdadeira rapina no estilo daquela que em 2011 levou ao “congelamento” de 150 milhares de milhões de fundos soberanos líbios (agora em grande parte desaparecidos): com a diferença de que o roubo do ouro venezuelano foi secretamente efectuado.

O objetivo é o mesmo: estrangular economicamente o Estado-alvo para acelerar o colapso, fomentando a oposição interna e, se isso não for suficiente, atacá-lo militarmente a partir do exterior.

Com o mesmo desprezo pelas mais elementares regras de conduta nas relações internacionais, os Estados Unidos e seus aliados acusam a Rússia de violar Tratado INF, sem fornecer qualquer prova, enquanto ignoram as fotos de satélite divulgadas por Moscovo: estas provam que os Estados Unidos tinham começado a preparar a produção de mísseis nucleares proibidos pelo Tratado, num local da Raytheon, dois anos antes de acusarem a Rússia de violar o Tratado.

Por fim, no que diz respeito ao próximo alargamento da NATO que será assinado amanhã, recorde-se que em 1990, na véspera da dissolução do Pacto de Varsóvia, o secretário de Estado dos EUA James Baker assegurou ao Presidente da URSS Mikhail Gorbachev que “a NATO não se estenderá uma única polegada para Leste”. Em vinte anos, após ter demolido por meio da guerra a Federação Iugoslava, a NATO expandiu-se de 16 para 30 países, estendendo-se cada vez mais para leste em direção à Rússia.


Fonte: https://www.odiario.info/washington-a-razao-da-forca/






Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña