19:27 Luns, 18 de Marzo de 2019
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

10-01-2019

Duas palavras voltaram como leitmotiv: poder de compra para viver com decência e soberania popular, para decidir juntos

UE, "Nós somos o povo!"

Valorar (2)

PIERRE LÉVY



Londres, Berlim, Roma, Madrid, Bruxelas, Estocolmo. E Paris. Se um europeísta tivesse saído da UE há alguns anos e voltasse hoje, ficaria aturdido, desorientado e aniquilado. Para onde quer que olhasse, só descobriria ruínas e cataclismos...

Começando por um facto literalmente histórico: pela primeira vez, um país deixará a União Europeia depois o de ter decidido democraticamente. Certamente, os sobressaltos não acabaram. Mas, de uma maneira ou de outra, mesmo num momento um pouco mais tarde que o esperado por alguns, o Reino Unido recuperará o controlo sobre as suas leis, o seu dinheiro, as suas fronteiras.

A Alemanha, por sua vez, tem mergulhado desde as eleições de Setembro de 2017 numa instabilidade política duradoura. Eleições regionais calamitosas, coligação hesitante e renúncia forçada da patroa dos democratas-cristãos: ninguém se atreve a prever o fim deste caos que paralisa Berlim no cenário europeu.

Em Roma, o pesadelo da Comissão Europeia tornou-se realidade: a coligação barroca de "populistas" e "extrema-direita" está no poder e não se sente vinculada pelas regras sagradas do euro. É certo que sinais de compromisso são enviados para Bruxelas. Mas o facto está aí: um dos países de maior reputação euro-entusiasta durante décadas virou a casaca.

A Espanha foi há alguns meses ainda descrita como um dos últimos países imunizados contra a extrema-direita. No entanto, o partido VOX, até agora marginal, acaba de entrar de forma estrondosa no parlamento regional da Andaluzia, e tem esperanças realistas de unir forças com o Partido do Povo (conservador) para se associar ao poder em Madrid, talvez já em 2019. A Bélgica mergulhou numa crise governamental. A Suécia ainda não tem governo, quase quatro meses depois das eleições.

E se o nosso recém-chegado tentasse consolar-se voltando-se para o Leste, o show terminaria em desespero. A Polónia, e mais ainda a Hungria, está em conflito com a UE, que iniciou um processo contra eles por "danos graves ao Estado de direito". Quanto à Roménia, está prestes a juntar-se ao campo das ovelhas negras "iliberais", mas lá com um governo social-democrata. Pior de tudo: Bucareste assumiu a partir de 1 de Janeiro a presidência semestral do Conselho da UE.

No que representa para os fãs da Europa um campo de ruínas e minas, a França não pode ser esquecida. Pode até pensar-se que o movimento dos coletes amarelos constitui, entre os vinte e oito e fora do Brexit, a crise mais ampla, profunda e perigosa para a integração europeia.

Partindo de uma rejeição muito legítima de um imposto adicional sobre o combustível que visa oficialmente impor a "sobriedade energética" para "evitar o fim do mundo", essa mobilização combina na mesma dinâmica a irrupção da questão social, através da revelação que a pobreza e o mal-estar não são o destino dos "excluídos", mas de milhões de famílias que compõem o mundo do trabalho e a proeminência da questão nacional, evidenciada pela omnipresença da bandeira tricolor e da Marselhesa.

Duas palavras voltaram como leitmotiv: poder de compra para viver com decência e soberania popular, para decidir juntos. Uma auto-politização acelerada resumida em uma fórmula: "nós somos o povo". Explosivo e devastador para um Presidente da República que simboliza a riqueza descarada e uma assumida arrogância.

Mas ele não é apenas demonizado no Hexágono francês. Ele perdeu grande parte do seu crédito entre a elite da UE que, há um ano, o via como o jovem e brilhante salvador da Europa. A imprensa alemã, em particular, não lhe perdoa ter caído do seu pedestal jupiteriano. É o fim das esperanças em reformas "audaciosas” e ambições europeias declamadas no discurso da Sorbonne.

Concluindo a sua intervenção solene de 10 de Dezembro, o senhor do Eliseu usou em particular duas fórmulas: "a minha única preocupação sois vós"; "a nossa única batalha é pela França". A primeira é uma admissão involuntariamente humorística; a segunda é obviamente uma fraude, mas revela a força de um movimento que obrigou o campeão da "soberania europeia" a fazer passar naquela noite a Europa por um ajuste de contas.

Já nada será como dantes.
 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .




Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña