21:31 Mércores, 14 de Novembro de 2018
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

02-11-2018

Um interessante texto, que faz fogo em várias direcções, integrando o passado das primeiras décadas do séc. XX com o actual fluxo de crescimento de forças e individualidades de extrema-direita e fascistas

Brasil, Fascismo e a Ala Esquerda do Neoliberalismo

Valorar (4)

ROB URIE


Com a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições para a presidência do Brasil realizadas no domingo passado, tornou-se indiscutível a existência de um ressurgimento global da direita radical. O sr. Bolsonaro -ao mesmo tempo politicamente repressivo e culturalmente intolerante -é um representante particularmente hediondo desse movimento. A interrogação que a imprensa burguesa vem colocando é:que doença psicológica se vem a manifestar, que poderia persuadis os votantes a eleger semelhante indivíduo?

Um tal enquadramento coloca este ressurgimento como inexplicável, como o resultado de uma falha fundamental da democracia: os eleitores. Daí para baixo é distribuída uma ladainha de falhanços. Uma vez que o sr. Bolsonaro é politicamente repressivo e culturalmente intolerante, o eleitorado deve desejar repressão política e intolerância cultural. Uma vez que o sr. Bolsonaro é um rufia de género e homofóbico, os eleitores devem ser rufias de género e homofóbicos.

Ausente das explicações para a ascensão do sr. Bolsonaro está que naúltima década o Brasil atravessou a pior recessão económicada sua história. Catorze milhões de brasileiros em idade activa, anteriormente empregados, estão agora no desemprego. Tal como sucedeu nos EUA e na Europa periférica desde 2008, a resposta liberal foi a austeridade, enquanto a classe dominantebrasileira ficava mais rica e politicamente mais poderosa.

Desde2014, a dívida pública brasileira trepou de 20% para 75% proclama um preocupado FMI. Que uma parte significativa dessa subida seja resultado de uma queda do PIB em consequência da austeridade económica mandatada pela Wall Street e pelo FMI não é mencionado. Uma década de austeridade fez com que a Presidente liberal Dilma Rousseff fosse removida do cargo num processo que não pode ser designado senão como um putsch de Wall Street. Talvez Bolsonaro venha a dizer a Wall Street em que lugar (não) meter os seus empréstimos.

De volta aos EUA, toda e gente sabe que a liberalização da finança e do comércio nos anos 90 resultou de cálculo político. Que esta liberalização tenha sido e seja patrocinada por ambos ospartidos dominantes sugere que talvez tal liberalização tenha servido certos interesses económicos. Não importa que esses interesses tenham obtido o que queriam e no processo tenham rebentado com a economia. Se os problemas económicos resultam de cálculospolíticos, a solução é política –eleger dirigentes melhores. Se eles são guiados por interesses económicos, a solução é mudar a forma como as relações económicas se organizam.

Entre 1928 e 1932 a produção industrial alemã caiu 58%. Em 1933, seis milhõesde alemães anteriormente empregados mendigavam nas ruas e vasculhavam o lixo à procura de coisas para vender. A resposta liberal (Partido Socialista) foram meias medidas e austeridade. Dentro do quadro liberal, a Depressão era um problema político que seria encarado no plano da política. A acomodação centrista definia o quadro existente. Adolfo Hitler foi nomeado Chanceler da Alemanha em 1933, no fundo do poço da Grande Depressão.

No Brasil do início-meados da década de 2000, LuísInácio Lula da Silva, mais conhecido como Lula, implementou um programa de Esquerda que retirou da pobreza vinte milhões de brasileiros. A economia brasileira teve uma breve recuperação após o crash de Wall Street em 2008, antes quea dívida pública fosse usada para forçar a implementação da austeridade. Dilma Rousseff capitulou e o Brasil reentrou em recessão. Cercado pela austeridade mandatada pelo FMIe por Wall Street, qualquer governo liberal eleito viria a ter o mesmo destino que Rousseff.

Na Itália dos anos 20, o pagamento das dívidas de guerra da 1ª Guerra Mundial conduziu a austeridade e recessão que precedeu a ascensão do chefe fascista Benito Mussolini. Na Alemanha, o pagamento das indemnizações de guerra e o pagamento de empréstimos industriais limitou a capacidade do governo de Weimar dar resposta à Grande Depressão. Governos liberais que facilitaram a financeirização de economias industriais nos anos 20 acabaram como cobradores de dívidas na crise capitalista que se seguiu.Desde 2008, a estrutura fiscal da UE (União Europeia)combinada com relações comerciais profundamente desequilibradas conduziu a uma década de austeridade, recessão e depressão na periferia europeia. Nos EUA, por alturas de 2009 Wall Street pressionava por austeridade e cortes na Segurança Social e nos serviços de saúde (Medicare) como necessários à estabilidade fiscal. As consequências de quatro décadas de políticas comerciais financeirizadas neoliberais não eram de nenhum modo distribuídas de forma igual. As relações de classe internas e externas ficavam evidentes através de períodos de alta estreitamente distribuídos seguidos por períodos de quebra largamente distribuídos.

Com o presumível objectivo partilhado de pôr fim à ameaça do fascismo:
As premissas ideológicas por detrás da lógica que assume os fascistas com explicação do fascismo emergem do liberalismo. O termo é aqui tomado no sentido descritivo. Oliberalismo procede de posições ontológicas específicas. No interior deste enquadramento temporal, um pouco de lógica social: se os fascistas existiam já, porque não existia já fascismo? A questão da opção entre combater fascistas e combater o fascismo depende da resposta a essa pergunta. O ponto de vista essencialista é que são as características intrínsecas dos fascistas que fazem deles fascistas. É esta a base do racismo científico. E está implícita na teoria fascista da raça.

A teoria de um homem forteque explora pessoas que têm uma predisposição no sentido do fascismo é essencialista no sentido de que a receptividade é intrínseca, i.e., resulta da psicologia, da genética, etc.O comentário liberal-de-esquerda dos últimos anos tem tendido no sentido doponto de vista essencialista –que os fascistas nascem ou são de outro modo predispostos no sentido do fascismo. Não é tomado em consideração que não-fascistas sãoigualmente determinados neste quadro. Se “deploráveis” fossem gerados desta forma, quatro décadas de neoliberalismo são absolvidas.

O problema da analogia, a questão do que é o fascismo e de como se relaciona o fascismo do séc. XX com o do presente não pode ter resposta no quadro liberal. A ascensão e queda da direita radical global tem sido episódica. Tem estado historicamente ligada ao desenvolvimento do capitalismo global num modelocentro-periferia de poder económico assimétrico. A finança a partir do centro facilita a expansão económica até a crise financeira interromper o processo. Fica para os governos periféricos a tarefa de gerir o pagamento da dívida com economias em colapso.

Globalmente, a dívida forçou a convergência de políticas entre partidos políticos de diferentes ideologias. Partidos europeus de centro-esquerdatêm avançado com a austeridade mesmo quando a ideologia sugeriria o oposto. Em 2015, os autonomeados marxistas do Syriza grego capitularam perante as reclamações de austeridade e privatização dos seus credores, encabeçados pela Alemanha. Mesmo Lénine negociou (em nome da Rússia) com credores de Wall Street nos meses seguintes à Revolução de Outubro. Num quadro político, a solução a partir de baixo é eleger dirigentes e partidos cuja acção corresponda à sua retórica.

O problema prático com fazer isto é o poder dos credores. Aos devedores que rejeitam as dívidas são fechados os mercados de capitais.O poder de criar moeda que seja aceite em pagamento é um privilégio dos países centrais, que sucede serem também credores. A expansão capitalista cria interdependências que produzem carências imediatas e profundas se o serviço da dívida é interrompido. A dívida é uma armacujos efeitos podem atingir um grupo enquanto a obrigação do pagamento recai sobre outro. A posição dos EUA ficou expressa quando o FMI, com conhecimento de causa, fez empréstimos não pagáveis à Ucrânia para apoiar o golpe ali patrocinado pelos EUA em 2015.

A racialização fascista tem analogia com as relações capitalistas de classe existentes. O estatuto da imigração, da raça e do género definem uma taxonomia social de exploração económica. A raça foi introduzida há décadas na expressão anglo-americanada escravatura a fim de naturalizar a exploração dos Negros. A desigualdade de género exprime a evolução do trabalho não-pago para trabalho-pago para as mulheres no Ocidente capitalista. Afirmar que estas discriminações são causa de exploração trata a sequência temporal ao contrário. Estas eram/são grupos sociais exploráveis antes de o seu estatuto especial ser criado.

Não se pretende com isto dizer que as relações de classe capitalistas configuram uma explicação completa para a racialização fascista. Mas a premissa ontológica que “congela,” e desse modo reifica a racialização é fundamental ao capitalismo. Isto relaciona-se com o ponto argumentado adiante de que os educados burgueses alemães, sob a forma de cientistas e engenheiros nazis que foram trazidos para os EUA após a 2ª Guerra Mundial, achavam a racialização nazi plausível através do que foi durante muito tempo adiantado como uma forma de entendimento antitético. Dito de outro modo, não foi apenas a ralé que considerou plausíveis caricaturas raciais grotescas. A pergunta que se coloca é porquê?

A propaganda foi desenvolvida e refinada por Edward Bernaysna década de 1910 para ajudar a administração Wilson a vender a 1ª Guerra Mundial a um público céptico. Tem sido utilizada pelo governo dos EUA e pela publicidade capitalista desde então. A ideia era integrar a psicologia com palavras e imagens de modo a levar as pessoas a agir de acordo com as vontades e desejos daqueles ao serviço de quem era elaborada. O quadro operacional da propaganda é instrumental para a utilização das pessoas para atingir objectivos em cuja concepção não intervieram de forma nenhuma. A perspectiva política é ditatorial, benevolente ou outra. O governo norte-americano tem desde então sempre utilizado a propaganda. Métodos semelhantes foram utilizados pelos fascistas italianose alemães para subir ao poder.

A propaganda comercial tornou-se ubíqua nos EUA. Empresas de publicidade contratam psicólogos para elaborar campanhas, sem qualquer consideração pelo facto de a coacção psicológica eliminar do capitalismo a liberdade de escolha. A distinção entre propaganda política e comercial reside apenas no objectivo, não no método. A sua utilização por Woodrow Wilson(ver acima) é instrutiva: existia um amplo,ecom forte afirmação pública, movimentoantiguerraque tinha razões legítimas para se opor à entrada dos EUA na 1ª Guerra Mundial. O objectivo de Bernays e de Wilson era de sufocar a oposição política.

Apás a 2ª Guerra Mundial, os EUA trouxeram 1.600 cientistas e engenheiros nazis (e as suas famílias) para os Estados Unidos para trabalharem no Departamento de Defesa e na indústria norte-americana, através de u programa designado Operation Paperclip. Muitos eram nazis dedicados e entusiastas. Foi referido que alguns eram genuínos criminosos de guerra. Em contraste com a asserção liberal/neoliberal de que o nazismo era uma irracionalidade política, os cientistas nazis encaixaram como luvas na produção militar norte-americana. Não existia qualquer contradição aparente entre ser nazi e ser cientista.

O problema não reside apenas em que muitos empenhados nazis eram cientistas. Foram a Ciência e a Tecnologia quem criou a máquina de guerra nazi. A Ciência e a Tecnologia estiveram inteiramente integradas na criação e na gestão dos campos de concentração nazis. A Ciência e a Tecnologia constituíam o nó funcional do Nazismo. E os cientistas e engenheiros da Operation Paperclipderam destacado contributo para a dominação militar EUA no pós-guerra.

Existia uma tensão dimensional entre os mitos românticos de um passado glorioso e antigo e a tarefa burguesa de fazer avançar a industrialização e a modernidade. A análise liberal e neoliberal tem-se focado nesta mitologia enquanto forma irracional de raciocinar. O que está ausente é que o Nazismo não poderia ter-se movido para além das fronteiras alemãs se não tivesse disposto da base da ciência e tecnologia burguesa necessária ao poder industrial. Isto integra o projecto mais amplo nas premissas ontológicas e administrativas do liberalismo.

Este facto está indubitavelmente a desconcertar os teóricos da “diferença.” Se Bolsonaro pode impor a austeridade mantendo uma paz injusta, Wall Street e o FMI sorrirão e solicitarão um acréscimo da presença dos negócios EUA que estão já a cercaro Brasil, sabendo que consumidores cativos em combinação com direitos de propriedade garantidos pela força e uma força de trabalho manejável significam lucros. Onde estavam os liberais quando a Wall Street que Barack Obama salvou estava a espremer os povos do Brasil, Espanha, Grécia e Portugal a pagarem dívidas assumidas pelos oligarcas? O liberalismo é o elo entre o capitalismo e o fascismo, não a sua antítese.

Tendo há muito abandonado Marx, a Esquerda Norte-Americana anda perdida na lógica temporal do liberalismo. A forma de combater os fascistas é acabarcom a ameaça do fascismo. Isso significa arrumar com Wall Street e com as grandes instituições do capitalismo ocidental.


Artigo tirado de ODiario.info.





Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal