10:08 Luns, 10 de Decembro de 2018
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

05-10-2018

Tal como na década de 30 do século passado, a crise geral do capitalismo traz consigo a emergência do fascismo

Fascismo e anticomunismo

Valorar (3)

ALBANO NUNES



O fascismo é uma criação do capitalismo para intensificar a exploração e salvar o sistema. É a expressão mais terrorista do poder monopolista. O que está a suceder é precisamente aquilo para que o PCP vem de há muito alertando: os sectores mais reaccionários e agressivos da classe dominante jogam cada vez mais no fascismo e na guerra como «saída» para o aprofundamento da crise estrutural do capitalismo. Essa a principal razão para que, com expressões muito diversas, o fascismo esteja a espreitar e a espalhar-se no mundo, da Ucrânia ao Brasil, dos EUA a Israel, de países da União Europeia às mais diversas ditaduras impostas a ferro e fogo pelo imperialismo. É cada vez mais evidente que o fascismo conta com fortíssimas cumplicidades a nível do Estado, onde aliás, como acontece com a administração Trump, já têm inquietante expressão. E o seu crescimento seria impossível sem um tratamento mediático esquizofrénico que tanto esconde como exagera graves manifestações de natureza reaccionária e fascizante, num comportamento ideológico que tende a banalizar o fenómeno em lugar de o combater. A verdade é que a extrema-direita e forças fascistas ocupam já fortes posições em Parlamentos e em governos de vários países da Europa.

A luta contra o fascismo será inconsequente se não identificar o caldo de cultura que o alimenta: as profundas injustiças e desigualdades geradas pelo capitalismo, uma situação social em que a polarização da riqueza atingiu um nível sem precedentes, em que o desemprego, a precariedade e o trabalho sem direitos se generalizam e os salários estagnaram ou retrocederam para níveis anteriores a 2007/2008. Uma situação em que as dificuldades e contradições do sistema de representação liberal burguês favorece a demagogia e uma radicalização de extrema-direita dita «anti-sistema», e em que – como na União Europeia - as ingerências e imposições que espezinham as soberanias nacionais, são exploradas para fomentar o nacionalismo, alimento fundamental do racismo e do fascismo. É realmente verdade que o neoliberalismo, cuja natureza exploradora e predadora não cessa de se acentuar, tem o fascismo inscrito nos seus genes. A sua primeira «experiência» foi no Chile de Pinochet e não faltam estudos bem documentados a demonstrar (vide Avelãs Nunes) que neoliberalismo e democracia (mesmo liberal) são incompatíveis.

O fascismo não é uma fatalidade. Mas é um perigo real que é necessário combater com a maior energia. Um combate em que, como sempre, o PCP está na primeira linha, coerente com a sua longa história de luta pela Liberdade e pela construção da unidade antifascista. Essa a razão por que, a pretexto do voto de princípio dos deputados do PCP no Parlamento Europeu em relação à aplicação do artigo 7.º do Tratado da UE à Hungria, alguns comentadores encartados (vide Público,16.09.18) não hesitam em vomitar o seu ódio, não contra o fascismo mas contra o PCP. Não estamos surpreendidos. Como não nos surpreende o escandaloso tratamento pela comunicação social dominante da nossa ímpar Festa do Avante!. Reacção, fascismo e anticomunismo sempre andaram de mãos dadas. É necessário não o esquecer.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2339, 27.09.2018




Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal