11:54 Luns, 27 de Xaneiro de 2020
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

05-03-2015

Um desenho curricular que bem poderia ser sacado dos tempos em que Galileo fora obrigado a dizer que a terra era o centro do universo e nom se movia baixo pena de morte

Tema de religiom católica, volta á idade media

Valorar (10)

JOÁM LUÍS FERREIRO CARAMÊS



Começa a L.O.M.C.E. e volve a religiom católica ao ensino, e como volve!, em primária e E.S.O. há a opçom religiom/ética, isso si conta para currículo. Mas no bacharelato a jogada é muito mais hábil, é um um tema optativo, tendo em conta que conta para a pontuaçom final é umha tentaçom para os alunos colher um tema fácil...Vou começar por avaliar o contido, deixando para o final a avaliaçom do sentido que tem o ensino da religiom católica como um tema mais no ensino.

E o contido nom tem desperdiço, no B.O.E. do 24 de Fevereiro saiu publicado o desenho curricular deste tema. Começando por primaria, há um texto comum no que fala da importância de este tema para o (a partir de aqui irám entre aspas as citaçons textuais) “desenvolvimento pleno e integral da personalidade e da necessidade de sentido do ser humano”, entom os ateus nom nos desenvolvemos plenamente nem damos sentido á nossa vida?.

“A criaçom e o paraíso exemplificam belamente a finalidade da criaçom da pessoa e do mundo inteiro para o seu serviço”, o mundo ao seu serviço? esse é o conceito a transmitir ás crianças?, podemos fazer com animais e meio o que queiramos, estám ao nosso serviço?. Formamos parte de este planeta do mesmo jeito que o resto de seres vivos e meio, e na compreensom e respeito de essa interrelaçom esta o nosso presente e futuro. Voltamos á era dos animais benéficos e prejudiciais?

“o ser humano pretende apropriar-se do dom de deus prescindindo de ele,. Em isso consiste o pecado”. O pecado parte de nos assumir como seres humanos com todas as suas conseqüências, a partir de ai todo está mal, só nos podemos salvar se nos submetemos a deus e á igreja católica.

A respeito dos conteúdos e dos critérios de avaliaçom “o homem obra maestra da criaçom”, nom utilizam nem só umha vez a palavra mulher, sempre se referem ao homem, especialmente no dedicado a primaria, nem Sequeira ser humano ou pessoa apenas aparecem.

“reconhecer a incapacidade da pessoa para acadar por si mesmo a felicidade”, ???, só som felizes os que crem em deus?, pois a mim da-me a impressom contrária, ademais supeditar a felicidade a qualquer deus impede assumir-nos como pessoas e nom desenvolver-nos como tais.

“Tomar consciência de que as acçons pessoais acercam ou separam de deus. Compreender que a eleiçom de Adam e Eva e um rejeitamento ao dom de deus”. A sempre presente ameaça da religiom católica, e acima de todo deus, como dim no primeiro dos seus mandamentos. Isso permite qualquer e sem questionar cousa se deus o manda.

“Sinalar a oraçom como umha forma de expressom da amizade com deus”. Ao longo do texto aparece a importância da oraçom, é algo que a pouco que se pense carece de qualquer sentido. É como nos contos de meigas, se repetes um texto determinado vai mudar algo?, se repetes umha oraçom deus vai-che chiscar um olho e dar-che algo que lhe pedes, mas isso si, só se repetes o texto homologado.???

“Conhecer rasgos da quaresma como tempo penitencial”. Nom podia faltar em umha religiom de ensaltaçom da dor e do sofrimento como a católica (santos descuartizados, queimados, torturados... Esses som santos, exemplos a seguir...) a penitencia. Transmitir ás crianças a necessidade de assumir umha penitência por algo, sofrer para que deus poda estar contente?. Boa maneira de educar desde logo...

“Avaliar circunstâncias que manifestem a impossibilidade da natureza humana para acadar a plenitude. Reconhecer que a relaçom com deus fai á pessoa mais humana” De novo a auto-humilhaçom ante deus, negar a capacidade do ser humano para poder desenvolver-se como pessoa, e que só assumindo que deus tem poder absoluto sobre nos podemos desenvolver-nos, como?, evidentemente como os seus servos, mas nunca como pessoas livres.

No texto de começo da E.S.O. Falado de deus di “imponse-nos a sua existência como dato evidente”. Evidente será para quem crê em ele, mas na própria frase, possivelmente sem querer, está o truco, imponse, e dizer, livre escolha?. Mas continuam do mesmo jeito.

“Identificar a origem divina da realidade. Diferenciar a explicaçom teológica e científica da criaçom”. De novo truco de trileiro, a explicaçom científica da criaçom? Que criaçom?. Nom pode haver explicaçom científica da criaçom porque a ciência baseai-se em feitos nom em crenças, só existe criaçom para quem acredite em ela, mas nom para a ciência. O ponto de partida é falso qualquer cousa que houver a continuaçom será do mesmo jeito falso. Nom se pode contra-por a razom á fé (é dizer irracionalidade).

“Estabelecer as diferenças entre o ser humano criado á imagem de deus e os animais”. E quales som essas diferenças?, ah claro, espirituais. Partimos de que o mundo está para o nosso serviço e seguimos com a superioridade como espécie. Haveria que medir com muito cuidado essas diferenças, porque dependendo o que midamos podemos sair mal parados. Há espécies animais que levam milhons de anos no planeta e muito provavelmente seguiram aí depois de nos desaparecer, quem vai quedar para sentir-se superior, o papa?

E chegando ao bacharelato ainda melhora a cousa. “O ensino da religiom católica ajuda a iluminar a história pessoal e social” ??, “destacar no haver de este tema a ajuda á promoçom dos direitos humanos e ao exercício da verdadeira cidadania”. Com isto devem de referir-se aos milheiros de mulheres que, (no terceiro mundo em aqueles países nos que a igreja católica está implantada) morrem cada ano por nom ter aceso a medidas contraceptivas e submetidas e condenadas a umha vida miserável só polo feito de ser mulheres, ou aos milheiros de crianças que morrem em miséria. Isso si, parece ser que deus os ama, nunca mais certo que há amores que matam.

“Comparar manifestaçons históricas que permitam desvelar desde sempre o sentido religioso humano”. E também a antropofágia, as torturas, os assassinatos em massa som manifestaçons históricas, mas que no processo evolutivo humano, salvo excepçons pontuais, desbotárom-se.

“Conhecer e aceitar com respeito os momentos históricos de conflito entre a ciência e a fé, sabendo dar razons justificadas da actuaçom da igreja”. Justificar a condena a Galileo galilei que tivo que esperar até o século XX a ser absolvido?. Justificar a morte dos milheiros de pessoas que por questionar ou discrepar do catolicismo foram passadas polas armas, torturadas e/ou queimadas vivas?,

“Ser consciente da necessidade de relaçom entre ciência e ética para que exista verdadeiro progresso humano”. “Compreender e respeitar os princípios fundamentais da igreja respeito á vida” De acordo em que tem que haver relaçom entre ciência e ética para o progresso humano, mas a ética será umha qualidade humana e nom algo próprio da religiom. As religions em geral e a católica em particular poderám falar de muitas cousas mas desde logo de ética nom. Ético o catolicismo que parte do principio de que a nossa vida nom é nossa senom de deus?, de que nom podemos decidir sobre a nossa vida ou o nosso corpo só com o limite da interferência em outro ser humano, porque só deus decide?. A igreja é o mais alonjado que existe da ética ou a moral.

“Reconhecer os esforços que a igreja realizou ao longo dos séculos para que se respeite a dignidade do ser humano e os seus direitos”. Aqui devem-se referir á justificaçom do esclavismo, á negaçom sistemática ao longo de toda a história da igreja dos direitos das mulheres. Ao uso da morte e a tortura aos discrepantes ou á imposiçom polas armas do catolicismo. Vou-no deixar aqui, haveria muito mais que dizer mas o espaço é limitado. Escolhim estes textos como poderia colher outros, é um autêntico despropósito e um insulto á inteligência humana.

Mas, independentemente do desenho curricular de este tema, que pinta o ensino de religiom na escola?. Eu como ateu nom acredito em nengum ente mais alá dos seres vivos de este planeta, mais ainda que nom compreenda as crenças religiosas si respeito o direito que tem cada um a crer no que lhe pete, seja umha religiom monoteísta, politeísta ou qualquer outro produto da invençom humana. Mas nas escola as crianças vam a formar-se como pessoas e a adquirir conhecimentos, as crenças religiosas entram no âmbito pessoal e como tal devem ser alheias á escola. E em qualquer caso nem deveriam pontoar para o curriculo, nem pode ser que os mestres que a dam passem polo único filtro dos bispos sem submeter-se como o resto a oposiçons, nem pode ser que a conferência episcopal marque o contido do tema sem este passar nengum filtro.

Um desenho curricular que bem poderia ser sacado dos tempos em que Galileo fora obrigado a dizer que a terra era o centro do universo e nom se movia baixo pena de morte, ou que qualquer suspeitoso ou suspeitosa de nom crer em deus podia ser torturado e assassinado. O curso que começa em Setembro de 2015 será o de começo de aplicaçom da L.O.M.C.E., seguro que algumha católica dirá que deus nos colhera confessados. Eu aguardo que seja um mal sonho que remate quanto antes polo bem da nossa sociedade e das pessoas que de ela formamos parte, mas isto nom vai acontecer por si, temos que bota-lo abaixo.


-------------------------------------------------------------------------------------------------
Nota da Fundación Bautista Álvarez, editora do dixital Terra e Tempo
: As valoracións e opinións contidas nos artigos das nosas colaboradoras e dos nosos colaboradores -cuxo traballo desinteresado sempre agradeceremos- son da súa persoal e intransferíbel responsabilidade. A Fundación e mais a Unión do Povo Galego maniféstanse libremente en por elas mesmas cando o consideran oportuno. Libremente, tamén, os colaboradores e colaboradoras de Terra e Tempo son, por tanto, portavoces de si proprios e de máis ninguén.

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.







© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña