20:09 Luns, 25 de Marzo de 2019
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

16-10-2011

Cabem poucas duvidas de que o galego tem um substrato celta. Mas de que língua celta se tratava? Uma olhada aos seis idiomas celtas que hoje existem pode aclarar as cousas

Celtas, pêro que celtas?

Valorar (64)

ALBERTE LAGO VILLAVERDE



As línguas celtas, que ainda existem, falam-se nas Ilhas Britânicas e na Bretanha francesa. Dividem-se em dous grupos, cada um deles com duas línguas vivas e outra ressuscitada. O primeiro grupo é o gaélico (celta q) formado por: irlandês, escocês e manês. O segundo é o britónico (celta p) formado por: galês, bretão e córnico. 

A julgar polo nome pareceria que o galês seria o mais parecido ao galego, mas o seu nome em galês e Cymraeg; pola contra as linguas da rama gaélica chamam-se gaeilge (irlandês), gaidhlig (gaélico da Escócia) e gailck (mannês) ir a http://www.ibiblio.org/gaelic/canan.html para ouvir a pronuncia.

Para comparar escolheu-se o galês (cymraeg) como representante da rama britónica e o irlandês como representante da gaélica por terem as tradições escritas mais antigas, vários centos de anos mais que o galego.  As palavras irlandesas, agás capall som da forma antiga do irlandês que se falava há cousa de mil anos.

Cando os comparar vemos que as palavras que o latim pronuncia (entre parêntese a pronuncia aproximada) qu (cu) como quattor (cuator) pronunciam-se cum p no galês como pedwar (peduar). Esse passo de qu a p e característico das línguas celtas da Grande Bretanha, a Gália (Francia) e o centro de Europa. Não há traças del no galego, co que é bastante difícil que na Galiza se falasse uma língua desta rama.

Pola contra no gaélico o passo de qu a c coincide co mesmo fenómeno no galego como se bota de ver nas catro primeiras linhas da tabela: ceathair (cázar)/catro, cúig (cuug)/cinco. O caso mais rechamante e o de Cé (quee); galego quem, e Cén (queem); galego que, onde as palavras irlandesas e galegas estão trocadas. Também indica que este fenómeno no galego -ou no português da Galiza se preferir- não é uma inovação, é uma persistência da língua anterior.

Asim e todo, palavras como que, e quem hainas noutros idiomas.  Por exemplo segundo o linguista italiano Mario Alinei, numa língua tão longe do galego como é o finlandês, a palavra para quem e ken. Precisamos mais dados.

Aqui entra a palavra equo que tem um resultado diferente as anteriores no irlandês e no galego.

No caso de cavalo não há equivalente galês mas houvo uma deusa Epona (dos cavalos) na Gália. Neste caso o irlandês pronuncia ech (egh) e os especialistas propõem uma forma mais antiga *echuah que se pronunciaria case como eghua.  Isto já é moita coincidência, e não se trata duma palavra perdida no dicionário, ech é o exemplo irlandês da primeira declinação. Capall (cápel) pola contra é uma palavra de orige estrangeiro como se bota de ver pola p, que nunca se usa na escrita das palavras de orige gaélica.

Interessa sinalar que a gheada do galego é neste caso etimológica; a forma com gheada é mais antiga - anterior á chegada do latim!- que a forma sem ela. Não é assim em todos os casos, por exemplo o galego grea (manda de cavalos) corresponde com graig (irlandês antigo) e gre (galês, córnico e bretão) co mesmo significado e sem gheada nos dous casos.

Para concluir: a lingua que se falava na Galiza antes da chegada dos romanos -e algo despois também- ou era gaélico ou devia de se parecer bastante. Compre estudarmos as línguas celtas que sobrevivem, é nomeadamente o gaélico, para resolver vários enigmas na formação do galego e para decifrar boa parte da nossa toponímia. 


anterior 1 2 3 4 5 6

[16-10-2011 12:57] Jean Le Bihan comentou:

O de "francesa" sobralle á Bretaña. É como se alguén se referira a este país como a Galicia española, non mola, a que non?.

anterior 1 2 3 4 5 6
Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña